Quem somos?

Conferência fundacional : Nasceu a Liga Internacional Socialista

De 24 a 26 de maio, em Barcelona, desenvolveu-se com sucesso a Conferência fundacional da Liga Internacional Socialista (LIS). Participaram representantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Nicarágua, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Espanha, Grécia, Turquia, Bielorrússia, Rússia e Ucrânia. Enviaram saudações e sua adesão à reunião do Equador, França, Iran e Pakistan, estes últimos e os companheiros do Líbano não puderam assistir porque não lhes foi concedido o visto. Nesta primeira circular estamos socializando para toda a militância da nova organização o programa e as resoluções que foram aprovadas.

É importante valorizar que enquanto grande parte das organizações que se reclamam do trotskismo estão atravessando processos de crise, divisões e em alguns casos até de dissolução, os que compomos a Liga Internacional Socialista estamos nos unindo para contribuir com a tarefa mais importante que o proletariado tem pela frente a nível mundial: construir uma direção socialista e revolucionária internacional.

A LIS está bem posicionada para crescer somando novos participantes. Pode surgir como a alternativa mais importante para partidos e indivíduos revolucionários em todo o mundo que se somam à feroz luta contra o capitalismo imperialista. Então temos razões realistas para ser otimistas sobre o futuro.

Este contraste entre a situação que atravessam o SU, o CIT, a LIT, a ISO ou o PO e nossa nascente organização, onde nos pusemos de acordo em impulsionar um projeto revolucionário, companheiros e companheiras que provenhamos de distintas tradições é inédito e temos que propagandizá-lo como um modelo a seguir.

Para aprender com os erros cometidos impõe-se um estudo profundo sobre as causas que provocaram o mal de todas estas organizações, tarefa que nos propomos enfrentar, junto com a elaboração de um documento mundial e um projeto de Estatutos de funcionamento, que serão os materiais mais importantes a debater na perspectiva do nosso primeiro Congresso Mundial que realizaremos no próximo ano.

Evidentemente teremos muitos desafios políticos e organizacionais que colocarão à prova a nova organização. Somos otimistas porque temos em comum bases políticas muito sólidas. Em relação a metodologia devemos encontrar um funcionamento que permita um equilíbrio para buscar consensos, quando isso seja possível e poder resolver através do voto da maioria quando for necessário. Acreditamos num saudável centralismo democrático, dentro das práticas burocráticas que marcaram a vida de outras organizações, onde a discussão e o debate sejam acompanhados permanentemente da intervenção na luta de classes.

Começa-se uma etapa apaixonante onde nos propomos a sair ofensivamente para responder aos desafios da atual etapa da luta de classes, intervindo nas lutas e processos mais dinâmicas e desdobrando toda classe de campanhas, como a que estamos realizando em apoio aos nossos companheiros paquistaneses brutalmente reprimidos por se solidarizarem com uma luta ou a que planejamos implementar nos países ex-soviéticos em apoio aos sindicatos independentes que dirigem nossos companheiros e que os diferentes governantes da região tentam debilitar e eliminar. Estas e o resto das campanhas que decidimos implementar em nossa Conferência estão ao serviço de impulsionar a mobilização dos trabalhadores, das mulheres e da juventude; apoiar os nossos companheiros contra a repressão e os ataques dos governos e construir as nossas organizações nacionais.

Tendo em vista a formação dos nossos quadros, tarefa fundamental que não podemos descuidar nos propomos realizar dois acampamentos juvenis centralizados, um na Turquia de 20 a 27 de agosto para todos os nossos trabalhos deEuropa e Ásia e outro na Argentina em fevereiro do próximo ano para os companheiros da América Latina.

Finalmente, para encaminhar alguns temas sobre os quais podem existir diferentes pontos de vista, debates e contribuições que possam surgir daqui ao Congresso, editaremos regularmente um Boletim de discussão interna que será de circulação exclusiva dos membros da LIS.