Venezuela: Jean Mendoza foi libertado, mas a luta contra sua criminalização continua

15 personas se sumaron a esta campaña

Nas últimas horas de ontem, segunda-feira, 17 de janeiro, nossos camaradas da Marea Socialista (MS), seção venezuelana da LIS, informaram que nosso camarada e porta-voz dos trabalhadores da transnacional MASISA, na Guayana, Jean Mendoza, detido neste fim de semana passada, havia saído da cadeia após sua apresentação no tribunal criminal de Puerto Ordaz, mas com medida cautelar e não com plena liberdade.

Desde as primeiras horas da manhã de ontem, um contingente de trabalhadores da MASISA se reuniu e esperou o dia todo diante da sede do tribunal em Alta Vista, Puerto Ordaz, pressionando pela libertação de Jean, seu porta-voz e delegado de prevenção a acidentes eleito pelos trabalhadores da MASISA.

Como apontam nossos camaradas, a transnacional chilena, que paga aos madeireiros venezuelanos uma ínfima parte do salário que recebem no Chile, Peru, México ou Argentina, graças às políticas de precarização salarial aplicadas pelo governo de Nicolás Maduro na Venezuela, utilizou um lei reacionária aprovada pela recém-encerrada Assembleia Nacional Constituinte, criada pelo PSUV, que está permitindo que as denúncias e reivindicações do ativismo dos trabalhadores, popular e críticos de esquerda sejam criminalizadas como “incitação ao ódio”. Agora, com a “Lei Contra o Ódio”, críticas ao governo ou denúncias contra empresas por violação de direitos trabalhistas, em vez de serem processadas adequadamente na Justiça do Trabalho, tornam-se processos criminais que possibilitam a prisão de trabalhadores por até 10 anos como criminosos comuns.

A libertação, sob medida cautelar, de Jean Mendoza é vista como uma vitória da pressão da mobilização de seus companheiros da MASISA e da solidariedade operária na Guayana, bem como da solidariedade nacional de setores sindicais, ativistas populares e correntes políticas, como os que se reuniram ontem em Caracas no Parque Carabobo para protestar em frente a sede nacional do Ministério Público. Mas também se destaca a solidariedade internacional, promovida fundamentalmente por organizações da esquerda revolucionária que fazem parte da Liga Internacional Socialista (LIS) em muitos países do mundo.

Flyer de la campaña de la LIS.

A medida cautelar que condiciona a liberdade do porta-voz dos trabalhadores, Jean Mendoza, conforme explica um de seus advogados de defesa, impõe-lhe um regime de apresentação perante os tribunais a cada 30 dias, a proibição de deixar o país e também inclui proibições relacionadas a o uso de redes sociais e mídias eletrônicas.

Acción del FITU en la embajada de Venezuela en Buenos Aires, Argentina.

Embora Mendoza obtenha uma importante vitória parcial, recuperando sua liberdade, ao sair do centro de detenção, as limitações a que será submetido representam uma redução de seus direitos e dão uma vantagem aos patrões, ao mesmo tempo em que dificultam o exercício de porta-voz a favor dos trabalhadores. O resultado para o qual caminham os tribunais continua desfavorável aos trabalhadores e complacente com a transnacional. Quer dizer, trata-se de uma medida que não restaura os direitos de porta-voz, o constrange e, com isso, ajuda a empresa a derrotar a categoria, algo que retrata muito bem o significado dea “justiça” de classe e orientação do sistema judiciário burguês.

Por enquanto, então, a luta está centrada no objetivo de alcançar a #LibertadPlenaParaJeanMendoza, além de continuar acompanhando os trabalhadores em suas reivindicações salariais e pelo exercício de seus direitos sindicais. Junto a isso, cresce a necessidade sentida pelos trabalhadores de exigir a revogação da “Lei Contra o Ódio” (usada contra o movimento dos trabalhadores) e o fim da criminalização da luta trabalhista.

Os movimentos operários e de solidariedade farão encontros para realizar um balanço sobre a luta iniciada e seus resultados, para continuar fortalecendo a organização e a unidade da classe trabalhadora em defesa de seus direitos.

Este compromisso é assumido integralmente por nós que fazemos parte da Liga Internacional Socialista.

Este artigo foi escrito com base na publicação da página aporrea.org:

https://www.aporrea.org/trabajos/n370790.html

Jean Mendoza detenido en Venezuela

El dirigente obrero y militante de Marea Socialista y la LIS, Jean Mendoza fue detenido el sábado 15 de enero de 2022 en Puerto Ordaz, mientras participaba de una reunión con trabajadores de su empresa, la multinacional chilena Masisa.
La detención fue efectuada por el organismo policial CICPC, en un nuevo episodio represivo y criminalizador contra la clase trabajadora venezolana.
Sobre Jean Mendoza cursaba una orden de aprehensión por parte de la fiscalía 15 de Puerto Ordaz, en una clara alianza con la empresa Masisa, como respuesta a la lucha que los trabajadores masiseros han venido librando por sus derechos.
Desde la LIS, llamamos a la más amplia solidaridad con nuestro compañero Jean Mendoza, exigiendo su libertad inmediata.

Labor leader and member of Marea Socialista and the ISL Jean Mendoza was arrested on Saturday, January 15, 2022 in Puerto Ordaz, while participating in a meeting with workers from his company, the Chilean multinational Masisa. The arrest was carried out by the CICPC police agency, in a new repressive and criminalizing attack against the Venezuelan working class.
An arrest warrant had been issued for Jean Mendoza by the 15th prosecutor’s office of Puerto Ordaz, in clear collusion with the Masisa company, in response to the struggle that the Masisa workers have been waging for their rights.
From the ISL, we call for the broadest solidarity with our comrade Jean Mendoza, demanding his immediate release.

%%your signature%%

15 signatures

Comparti la carta:

   

Los abajo firmantes:
15 Luiz Eduardo D. Estudante Jan 25, 2022
14 JORGE LENIN E. ANALISTA COMUNA REBELDE Jan 25, 2022
13 Osvaldo Daniel Q. Empleado Mst argentina Jan 20, 2022
12 Alessandro Fernandes A. Docente Alternativa Socialista/PSOL (Brasil) Jan 19, 2022
11 Martin C. MST Jan 19, 2022
10 Silvana B. MST Jan 17, 2022
9 Sergio G. Dirigente MST Jan 17, 2022
8 Nadia B. Trabajadora estatal MST Jan 17, 2022
7 Adriana L. Secretaria adjunta CTA Lanus Jan 17, 2022
6 Vanesa G. Legisladora MST Jan 17, 2022
5 Vilma R. Dirigente MST Jan 17, 2022
4 Cele F. Referente nacional MST Jan 17, 2022
3 Alejandro B. Coordinador Liga Internacional Socialista Jan 17, 2022
2 Guillermo P. Secretario General CICOP Jan 17, 2022
1 Yago S. MST Jan 17, 2022